DeBoas, a Capivara.

WhatsApp Image 2017-02-13 at 16.07.41.jpegVez ou outra aparecem alguns visitantes super interessantes. No meio de 2016 começou a ser avistada uma capivara (Hydrochoerus hydrochaeris) na área do lago do Pescador. Agora ela já domina a área, dando o ar da graça no Lago Frei Leandro. Uma capivara é um bicho interessante. Grande, “simpático”, carismático. Tem sido visto no fim da tarde e cair da noite, junto ao gradil da Jardim Botânico ou na área do Lago. Elas sempre chegam aqui via canal, vindas da Lagoa. Geralmente não se estabelecem e acabam voltando (ou sendo “voltadas”, sem escolha, canal a fora) de volta pra Lagoa. Mas essa não…

rodrigo.jpegEssa capivara é mais esperta. Ou mais boba. Ficou… Se esconde o dia todo nas touceiras dos canteiros, pra sair no entardecer, Arboreto fechado ou quase, paz e tranquilidade no JB. E aí rolam uns flagras, cada dia mais frequentes e fantásticos. As pegadas são muitas, alguns rastros, um ou outro cocozinho dando pistas da sua presença. Ganhou o nome de DeBoas, pela sua natureza tranquila, mas não se engane, se tentar “tirar uma casquinha”, ela pode morder.

WhatsApp Image 2017-02-13 at 16.07.34.jpegSão nativas da América do sul, tendo evoluído por aqui, cenozoicas, descendentes do Cardiatherinae, um bichão ainda maior (até 2xs o tamanho da capivarinha!!) que deu origem a grande parte dos grandes roedores americanos. Ainda hoje se espalham por toda a America Latina, sendo vistos desde o Panamá até o Uruguai, menos nos Andes (Hydrochoerus hydrochaeris e a Hydrochoerus isthmius).

flavia.jpegCapivaras são roedores, os maiores do mundo. E são semi-aquáticos, sempre ligados à corpos d’água, essenciais para sua vida. O nome, inclusive, deriva dessa condição: Hydro – água e choerus – porco… como se fosse um porco d’água, quando, gordos e cevados, rolam na lama que protege dos ectoparasitas. Conseguem submergir por vários minutos e podem ficar discretamente sob a água. Olhos, nariz e orelhas pra fora. Tem grandes (proporcionais) incisivos típicos de roedor, não giram o pescoço pra trás e tem esse corpão arredondado e carnudo, coberto de pelos grossos marrons, orelhas, focinho e olhos (que sempre parecem sonolentos), discretos. Chegam a 1,30 m x 0,65m, podendo pesar até 90 kg, com pernas curtas e ágeis. Quando correm, é pra água, e lá usam as membranas interdigitais para nadar.

WhatsApp Image 2017-02-13 at 16.07.40.jpegA comida é outro fator interessante (bom, nem tanto no caso do JB, já que são herbívoros eficientes). Come, folha por folha, com grande paciência, até 4kg por dia. Alimentam-se de capins, vegetação rasteira (gramíneas e ervas), arbustiva e aquática.

Em segurança, são calmas, vivem em grupos familiares com um macho dominante, reconhecível pela glândula de odor no alto da cabeça/focinho. Vagam pelo território em busca de pontos para alimentação e repouso.

WhatsApp Image 2017-02-13 at 16.07.43.jpegOs grupos, em condições ideais tem cerca de 8 adultos. Os machos não dominantes vivem perifericamente, sendo comuns as disputas territoriais, mesmo de fêmeas contra fêmeas de outros grupos.

marcelo.jpegSão bastante adaptáveis aos ambientes perturbados pelo homem, sendo comuns em várias cidades no Brasil, inclusive o Rio de Janeiro. Precisam, porém, de áreas de mata para sobreviverem. Nas cidades os grupos ficam presos pelas estradas e vias urbanas, ilhados e com dificuldade para a migração, o que pode resultar em brigas, fugas e atropelamentos. As brigas costumam deixar marcas de mordidas redondas e profundas, que são confundidas por observadores bem intencionados com marcas de tiro.

Nunca devem ser perseguidas, pois podem sofrer de miopatia de captura, então, ao avistar uma capivara em apuros, ligue para 1746. Se ela estiver ok, apenas aproveite a vista desse animal tão interessante.

rodrigo2.jpeg

Veja mais em:
ALMEIDA, Ariádina Reis; BIONDI, Daniela. Área de uso de Hydrochoerus hydrochaeris L. Em ambiente urbano, Curitiba, Paraná, Brasil. Ciência Animal Brasileira
,

ALMEIDA, Ariádina Reis; BIONDI, Daniela; MONTEIRO-FILHO, Emygdio Araújo Leite. Comportamento de capivaras em área verde urbana no município de Curitiba, PR. Revista Biociências. 

SILVA, Elias Silva. A Capivara: uma ampla revisão sobre este animal tão importante.

 

 

Anúncios
Esse post foi publicado em A Fauna do JBRJ, Mamíferos e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s