Tamanduá-mirim

Mari (14)Os tamanduás pertencem à tamanduá é família Myrmecophagidae, que significa, literalmente, comedor de formigas. Eles são realmente adaptados para essa dieta: não tem dentes e, a língua, que é imensa, fica recoberta por uma saliva grossa e colante, sai, ágil, da boca tubular para capturar formigas e cupins e mesmo assaltar colmeias. As patas dianteiras possuem garras afiadas e recurvas, próprias para pilhar e bem eficientes na defesa. Para ajudar digerir o alimento e triturar os exoesqueletos, tem uma moela muscular poderosa.

tamandua.jpgTemos 3 espécies no Brasil: Myrmecophaga tridactyla, Tamandua tetradactyla e Cyclopes didactylus.  Os Xenartros (do grego, xenos = estranho, arthros = articulação), como podem ser chamados tamanduás, tatus e preguiças, têm algumas características importantes: Articulações vertebrais extras, articulações especialmente bem desenvolvidas entre as costelas e o externo; sinsacro (que é a fusão do ísquio e das vértebras caudais anteriores) e redução dos dentes, que são ausentes nos tamanduás. As garras são móveis e podem se flexionar completamente a partir da base. Como seu alimento é pobre em energia, tem diversas adaptações para poupa-la, como a baixa taxa metabólica, mantém um nível reduzido de atividades e a temperatura corporal é baixa, variando bastante.

(Tamandua tetradactyla)

(Tamandua tetradactyla) – Voltando pra natureza

O nosso, no RJ, é o tamanduá-mirim (T.tetradactyla) que é bem menor que o clássico Bandeira e não tem aquele rabão peludo, mas a cauda é preênsil… Pesam cerca de 5kg e medem entre 47 a 77cm + 40 a 68cm de cauda. A pelagem é amarelo creme, densa e curta, com marcação negra partindo das laterais do pescoço podendo formar um “colete”, menor ou menos evidente individualmente e dependendo da região de ocorrência.

Tamanduá mirim (Tamandua tetradactyla)

Tamanduá mirim (Tamandua tetradactyla) pronto para soltura

Nas potentes patas dianteiras tem 4 dedos com unhas recurvas e compridas, grandes o bastante para que eles caminhem usando a laterais das patas dianteiras, deixando pegadas características, e as traseiras tem 5 dedos e garras menores.  Focinho comprido e tubular, com boca pequena e sem dentes, língua fina, orelhas relativamente grandes e olhos miúdos.

É o tamanduá mais comum, ocorrendo desde a América Central, em diversos países e em todos os biomas do Brasil, tem vários nomes, dependendo do país: Tamanduá-de-colete, Mambira, Coletiro, Southern Tamandua, Oso-melero, Oso-hormiguero-chico. Adapta-se relativamente bem a alterações, mas necessita de cobertura arbórea para sobreviver.

Tamanduá soltura

(Tamandua tetradactyla) – voltando para a natureza.

Ser comum não significa que seja fácil de ver. Tem hábitos principalmente noturnos e é solitário e discreto. Desloca-se tanto em solo quanto nas árvores, podendo se esconder em buracos, ocos ou dormir nos galhos altos. No Município do Rio de Janeiro a espécie é considerada Vulnerável. Por todo o país são vítimas de atropelamentos, de caça (que visa não só a carne, mas também o couro), incêndios e redução do habitat. Ainda que se desloque habilmente no chão, não conseguem correr no solo e usam as garras afiadas como defesa. Para se defenderem de um ataque ficam de pé sobre as patas traseiras, usando a cauda como apoio e desferem golpes perigosos com as dianteiras. As unhas são realmente afiadas e muito fortes, sendo responsáveis por cortes profundos em embates com cães ou pessoas desavisadas. Acidentes no manejo podem ser perigosos, pois muitas pessoas subestimam o perigo na avaliação do animal.

tamandua-1.jpg

Dr Jeferson Pires atendendo adulto de Tamandua tetradactyla no Centro de Recuparação de Animais Selvagens. Animal atacado por cachorro. 

A reprodução geralmente produz um filhote após cerca de 140 dias, e, em condições propícias, podem ter mais de 1 cria por ano. O filhote é carregado nas costas da mãe por até um ano, aprendendo sobre seus hábitos. Nesse período passa de poucos gramas a mais de 3 quilos de peso.

 

Todo mundo, quando pensa em tamanduá, lembra do focinho comprido. Eu lembro do cheiro. O cheiro é incrível… Já falei do cheiro em outro post, mas repito, é inesquecível…

 

Anúncios
Esse post foi publicado em A Fauna do JBRJ, Animais atendidos, Mamíferos, Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s